fbpx

Ferramenta reduz perdas relacionadas ao estresse térmico de vacas leiteiras

Um experimento realizado sob a coordenação do Professor Titular de Bovinocultura de Leite da Universidade Federal de Lavras, Dr. Marcos Neves Pereira, com o Concentrado de Leveduras Vivas Procreatin 7®, mostrou que o produto pode ser uma ferramenta muito interessante nas propriedades de leite de todo o Brasil para reduzir os efeitos negativos do estresse pelo calor no desempenho dos animais.

As vacas leiteiras são muito sensíveis ao estresse térmico e nos meses mais quentes do ano, sofrem muito, acarretando perdas na produção, principalmente por redução na ingestão de matéria seca e aumento na dependência da glicose na tentativa de manter a homeotermia.

Uma estratégia para reduzir os efeitos negativos desse período é melhorar a digestibilidade da dieta. Para isto, avaliou-se o efeito da inclusão de levedura viva sobre a digestão e o desempenho de vacas em lactação durante os meses quentes de verão no Sudeste brasileiro. No experimento, 28 vacas Holandesas preto e branca foram alimentadas individualmente, em sistema de TieStall, recebendo uma dieta padrão por 14 dias (Adaptação), quando então a metade dos animais passou a receber também 10g de Procreatin 7®/dia durante 70 dias (período experimental). A dieta padrão era composta por 37,7% silagem de milho, 7,1% silagem de Tifton, 4,1% soja crua integral moída, 16,5% Farelo de Soja, 20,7%, milho finamente moído e 11,9% de polpa cítrica.

Observou-se que a inclusão de levedura viva proporcionou aumento na produção média de leite da ordem de 1,3kg (25,4kg\dia vs. 26,7kg\dia), totalizando ao final do período mais 91kg de leite por vaca. Esta resposta no aumento da produção de leite foi consistente durante todo o período experimental, tendo sido observada já desde o quinto dia de tratamento. Observou-se também, redução na frequência respiratória (56mpm vs. 48mpm), aumento na produção de sólidos totais (2,92 kg\dia vs.3,06kg\dia) – especialmente devido ao aumento na produção de Lactose; na concentração plasmática de Glicose (57,3 mg\dl vs. 62,9mg\dl); e aumento significativo na concentração plasmática de Niacina (1,22 mg\ml vs. 1,31 mg\ml). A Niacina é uma vitamina do complexo B que auxilia na vasodilatação periférica e recentemente tem sido apontada como responsável pela redução no gasto de energia para realizar a troca de calor e manter a homeotermia do animal. Adicionalmente, foram avaliados também durante o experimento as flutuações na produção de ácidos orgânicos no rúmen, tendo sido observada redução na produção de Lactato e de Butirato.

Concluiu-se que o uso de levedura viva melhorou o desempenho dos animais e que, aparentemente, essa melhora esteve ligada a maior eficiência do mecanismo homeostático.

O artigo resultante desta pesquisa já foi submetido e aprovado pelo corpo editorial do Journal of Dairy Science e está disponível de forma digital na página da American Dairy Science Association (ADSA), sob o título de “Response of lactating cows to live yeast supplementation during summer” e tem como autores G. G. S. Salvati,N. N. Morais Júnior, A. C. S. Melo, R. R. Vilela, F. F. Cardoso, M. Aronovich, R. A. N. Pereira, and M. N. Pereira.

Marcos Paulo Branco
Gerente Técnico Comercial Ruminantes
PHILEO Lesaffre Animal Care

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
Abrir Chat
Dúvidas? Fale com o suporte!
Olá!
Como podemos te ajudar?